Tenho em mim todos os dramas do mundo

Lembro que quebrei há uns anos atrás, levei uma topada em alguma esquina porque tenho/tinha a mania de andar olhando para o céu, foi o fim do mundo

“VOU PERDER MEU DEDO” eu gritava

“Yago, é só uma unha” Minha mãe me tranquilizava

Mas não era só uma unha, tinha sangue, meu Deus, quanto sangue, eu teria uma hemorragia e morreria ali mesmo no chão da sala com meus pais ao redor e meu irmão rindo da minha cara, seria um triste fim. Mas no dia seguinte -puft- passou. Eu não perdi o dedo, e não morri. Desde aquele dia ficou evidente o quão dramático eu era.

Depois houveram os términos, os piores (a garota da flor, a garota que me deu um chute, a garota que me trocou) descobri que drama e sentimentos andam lado a lado e eu consigo ser um baita sentimental, daqueles que secam de tanto chorar ou que escrevem até secar, nem eu entendi muito bem essa frase, mas ficou legal no texto.

Tem gente que faz tempestade em um copo d’água, eu faço tempestade, crio tornados e se duvidar quebro o copo com meu drama excessivo. Transformo fins de relacionamentos ou quase relacionamentos em textos tristes, melancólicos e quase suicidas, o drama já esta no meu sangue, já faz parte de mim. Que me perdoem os anti-dramas mas eu dramatizo tudo e sinceramente eu amo essa minha mania.

Yago Alves